Home Destaques Em audiência, Botelho destaca importância de retomada das obras do rodoanel

Em audiência, Botelho destaca importância de retomada das obras do rodoanel

Em audiência, Botelho destaca importância de retomada das obras do rodoanel
0
0

Duplicação do contorno norte de Cuiabá e Várzea Grande tem parte dos recursos garantida.

Por ITIMARA FIGUEIREDO/ALMT

Desafogar o trânsito e fomentar o comércio local. São fatores decisivos para a retomada das obras de duplicação do contorno norte de Cuiabá e Várzea Grande, o chamado rodoanel. A afirmação foi feita pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), autor da audiência pública, realizada nesta segunda-feira (09), no auditório Milton Figueiredo, em parceria com o Senado Federal e a Câmara Municipal de Cuiabá. A obra interligará o Trevo do Lagarto, em Várzea Grande, ao Distrito Industrial, de Cuiabá.

Para o deputado, há certeza que vai ser construída a obra, tanto que a audiência foi fundamental para discutir a engenharia do projeto e os impactos econômico e social. “O rodoanel é muito importante, uma vez que, o trânsito tem paralisado muito. É uma lentidão que atrasa tudo, atrasa cargas e viagens, cria transtorno para o perímetro urbano. Então, o rodoanel vem para resolver o problema, tanto da baixada cuiabana, quanto para o comércio de um modo geral, principalmente da região de Praia Grande e Bonsucesso que ficou prejudicada por conta do trânsito nesse local. É importante discutir como será a comercialização, a construção, a integração desse perímetro com a área urbana”, disse o parlamentar, ao ressaltar que parte dos recursos está garantida e a expectativa é de que seja concluída conforme a política do presidente da República Jair Bolsonaro e do governador do estado, Mauro Mendes, de que toda obra iniciada seja devidamente concluída”, afirmou Botelho.

Com previsão de custo de R$ 560 milhões, serão 52 km de pista duplicada, sendo 41 km em Cuiabá, e 11 km em Várzea Grande, com impacto direto em mais de 39 bairros, atingindo cerca de 420 mil pessoas. O projeto é ligar a região do Trevo do Lagarto, em Várzea Grande, até o Distrito Industrial de Cuiabá, passando pela BR 163/364 em Várzea Grande, na altura do rio Pari e pela BR 070/163/364 em Cuiabá, na região do Sinuelo. “Reduzirá o fluxo de veículos nas principais avenidas e descongestionará o núcleo central da cidades, dando celeridade ao trânsito”.
Em seu discurso, Botelho lembrou os impactos que causará de forma positiva, inclusive, no plano diretor das duas cidades, afetando diretamente a administração do espaço urbano e seu planejamento. Cita como exemplo a construção da Avenida das Torres, em Cuiabá, que fomentou o desenvolvimento local.

“Um bom projeto é aquele em que toda a população ganha direta ou indiretamente. E este é o nosso objetivo com esta audiência, chamar a população para entender, opinar, aparar todas as arrestas, divulgar, publicitar para que todas as contribuições possam ocorrer e assim sair da melhor forma possível”, disse Botelho.

“Essa obra está paralisada, inclusive, com dinheiro na conta há mais de cinco anos. Essa audiência pública vem para chamar a atenção para esta situação tendo em vista que o dinheiro está na conta e a obra não está realizada. São 11 quilômetros que estão prontos, que fazem a ligação do Sucuri até a estrada da Chapada dos Guimarães. O que falta é a adequação do projeto e a licitação da obra por parte do governo do estado”, esclareceu o representante do senador Welinton Fagundes, José Marcio Guedes.

O superintende da Regional de Mato Grosso da PRF, Francisco Élcio explicou que o impacto será grande e 100% dos veículos que utilizam a região metropolitana apenas de passagem, vão utilizar o rodoanel. “Devido a mistura de veículos do centro metropolitano com os de cargas tem impactado bastante os acidentes porque as rodovias não são preparadas para receber esse volume e também compartilhar o perímetro urbano. Com essa mudança, teremos redução significativa dos acidentes”, ressaltou o superintendente.

“É uma obra que vai integrar toda a baixada cuiabana. O rodoanel tem algumas novas melhorias e a sociedade cuiabana precisa saber disso. Estamos juntos nessa luta para ver o rodoanel virar realidade na vida da sociedade”, disse o presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Misael Galvão.

Carlos Brito esclareceu que há possibilidade de contrapartida do governo do estado. E chamou a atenção para que os municípios afetados se antecipem verificando o impacto da obra. Também participou o superintendente do DNIT, Orlando Fanaia.

Faça um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *