Home Cidade e Cotidiano Nova York se torna a primeira cidade dos EUA a impor vacinas COVID para entrar em restaurantes e academias
Nova York se torna a primeira cidade dos EUA a impor vacinas COVID para entrar em restaurantes e academias

Nova York se torna a primeira cidade dos EUA a impor vacinas COVID para entrar em restaurantes e academias

0
0

A cidade de Nova York se tornará a primeira grande cidade dos Estados Unidos a exigir prova de vacinação COVID-19 para clientes e funcionários em restaurantes, academias e outros negócios fechados, à medida que o país entra em uma nova fase de batalha variante delta contagiosa.

Ao contrário dos surtos do ano passado e de janeiro, vacinas altamente eficazes estão agora amplamente disponíveis contra o vírus que matou mais de 600.000 pessoas nos Estados Unidos, reduzindo a necessidade de fechar negócios e de as pessoas ficarem em casa. 

O governo federal e vários estados já exigiram a vacinação de funcionários públicos, assim como alguns hospitais e universidades. A Meatpacker Tyson Foods (TSN.N) tornou-se na terça-feira um dos maiores empregadores privados a exigir que todos os trabalhadores sejam imunizados. 

A política da cidade de Nova York exige prova de pelo menos uma dose e será aplicada a partir de 13 de setembro. Como as políticas anteriores sobre máscaras e pedidos para ficar em casa, o plano provavelmente encontrará resistência. Na França, a exigência de um passaporte nacional de saúde comprovando a vacinação resultou no uso de gás lacrimogêneo pela polícia para dispersar os manifestantes.

“É hora de as pessoas verem a vacinação como literalmente necessária para uma vida boa, plena e saudável”, disse de Blasio em entrevista coletiva.

Cerca de 60% de todos os nova-iorquinos receberam pelo menos uma dose da vacina COVID-19, de acordo com dados da cidade. Mas certas áreas, principalmente comunidades pobres e de cor, têm taxas de vacinação mais baixas.

O anúncio da cidade ocorre com o aumento de casos em todo o país, com a Flórida e a Louisiana emergindo como os principais focos de vírus, onde os hospitais estão mais uma vez sofrendo com o fluxo de pacientes COVID. 

A Flórida e a Louisiana estão relatando um número recorde de pacientes hospitalizados com COVID, como um médico alertou sobre os “dias mais sombrios” até agora. 

Mais de 11.300 pacientes foram hospitalizados na Flórida até terça-feira, com pacientes COVID preenchendo 22% dos leitos hospitalares do estado, de acordo com dados do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos . Em Vermont altamente vacinado, 0,4% dos leitos hospitalares são ocupados por pacientes com coronavírus.

Louisiana também estava lidando com um dos piores surtos do país, levando o governador John Bel Edwards, um democrata, a ordenar aos residentes que usassem máscaras novamente em ambientes fechados.

Na Califórnia, líderes políticos em oito condados da área da baía de São Francisco restabeleceram os pedidos de máscaras internas obrigatórias em locais públicos a partir da meia-noite de terça-feira.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, um republicano, assumiu a posição oposta. Ele emitiu uma ordem executiva na semana passada proibindo as escolas de exigirem coberturas faciais, dizendo que os pais deveriam tomar essa decisão por seus filhos. 

O Sunshine State alegou outro recorde sombrio com o maior número de hospitalizações pediátricas COVID-19 – 138 na terça-feira, mais do que os registrados no Texas, apesar da população muito maior deste último.

DeSantis dobrou de posição durante uma coletiva de imprensa na terça-feira, defendendo a abordagem do estado.

“Não vamos fechar. Vamos abrir escolas. Estamos protegendo os empregos de todos os moradores da Flórida neste estado. Estamos protegendo os pequenos negócios das pessoas.”

O setor privado, incluindo muitas grandes empresas dos EUA, também tomou algumas medidas em resposta à ameaça da variante Delta. 

As três grandes montadoras de Detroit e o sindicato United Auto Workers (UAW) disseram na terça-feira que vão restabelecer as exigências de uso de máscaras em todas as fábricas, escritórios e armazéns dos EUA a partir de quarta-feira, mas não exigem que os trabalhadores sejam vacinados. 

Reportagem de Maria Caspani; Edição de Frank McGurty e Lisa Shumaker

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

tags:

Deixe uma resposta