Home Destaques TCE-MT recebe relatório que subsidiará apuração sobre remédios vencidos em Cuiabá
TCE-MT recebe relatório que subsidiará apuração sobre remédios vencidos em Cuiabá

TCE-MT recebe relatório que subsidiará apuração sobre remédios vencidos em Cuiabá

0
0

Secretaria de Comunicação/TCE-MT

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) recebeu da Prefeitura de Cuiabá, nesta quarta-feira (2), relatório de inspeção no sistema de aquisição, armazenamento e distribuição de medicamentos do município. O documento foi entregue ao relator das contas de Cuiabá, conselheiro Antonio Joaquim, pela titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Ozenira Félix, e subsidiará a apuração acerca do vencimento de remédios que não foram distribuídos à população.

Em abril, o conselheiro determinou cautelarmente que o Poder Executivo Municipal se abstivesse de efetuar o descarte e/ou destruição de medicamentos vencidos até que a Controladoria-Geral do Município levantasse as informações necessárias para a realização de auditoria, requerida pelo Ministério Público de Contas (MPC).

Durante a entrega do relatório, Ozenira explicou que, na primeira fase, o levantamento realizado pela SMS incluiu todos os contratos, ordens de fornecimento, notas fiscais e empenhos relacionados aos lotes vencidos. Já na próxima etapa, serão reunidos documentos anteriores ao período que, por fim, devem resultar em ações efetivas que evitem que problema se repita.

Na ocasião, ela também destacou a importância do controle social e a parceria com o TCE-MT. “O Tribunal de Contas tem sido muito parceiro. Todas as vezes que precisei estive aqui, me ajudaram no sentido de orientar como devemos proceder. É importante hoje estarmos aqui apresentando e mostrando que a prefeitura de Cuiabá não tem nada a esconder. Queremos que os órgãos de controle estejam conosco”, disse.

Fruto de Representação de Natureza Interna (RNI), a concessão da cautelar levou em consideração potenciais danos ao erário, em razão da não distribuição dos insumos até a data de seu vencimento, inutilizando-os para o fim a que se destinam. O conselheiro destacou ainda na decisão que a denúncia da suposta irregularidade foi amplamente divulgada na imprensa regional e nacional.

“No caso em análise, verifico que, conforme reportagens da mídia, os medicamentos vencidos estão na iminência de descarte. Por essa razão, o periculum in mora está configurado pelo risco de descarte, dificultando-se a apreciação de eventual dano ao erário e apuração de responsáveis”, sustentou Antonio Joaquim à época.

 

Thiago Bergamasco/TCE-MT

Deixe uma resposta