Home Turismo e Cultura Segunda edição premia 10 autores com R$ 300 mil

Segunda edição premia 10 autores com R$ 300 mil

0
0
Angélica Moraes | SEC-MT

Com um total de 89 inscrições, a segunda edição do Prêmio Mato Grosso de Literatura se consolida como uma das principais vitrines para os escritores residentes em Mato Grosso. Foram selecionadas 10 obras literárias que serão contempladas com R$ 30 mil cada, totalizando R$ 300 mil em investimentos.

O 2º Prêmio Mato Grosso de Literatura é uma iniciativa do Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT), e faz parte do Plano Estadual de Cultura, que visa fortalecer e descentralizar as políticas públicas, fomentar a cultura de forma ampla por meio da promoção e difusão de iniciativas e incentivar a produção artística e cultural no estado.

Ao ampliar significativamente o número de obras inscritas (na primeira edição foram 58), bem como o valor total (de R$ 200 mil para R$ 300 mil), o Prêmio de Literatura se fortalece como vitrine e oportunidade para que os escritores coloquem suas obras no mercado.

Foram selecionados trabalhos inéditos nas seguintes categorias: duas obras em poesia, quatro obras em prosa, duas obras na categoria revelação e duas obras na categoria infantojuvenil, que é também uma novidade da segunda edição do certame.

Para o escritor Ricardo Famos Filho, que presidiu a Comissão de Avaliação na primeira edição, o Prêmio MT de Literatura não fica atrás de outras iniciativas nacionais, como o prêmio Oceanos e o São Paulo de Literatura, dos quais ele já participou como jurado.

“Todas estas iniciativas são importantes no sentido de dar oportunidade ao escritor de mostrar sua obra e de ser lido. Está cada vez mais difícil publicar livros no Brasil e estes concursos têm como resultado mais importante permitir ao autor, não apenas aquele já consagrado, mas também ao que está começando, a chance de publicar sua obra. É por intermédio de iniciativas como esta que muitos dos novos escritores conseguem chegar a um mercado cada vez mais restrito. E ter o trabalho conhecido é, afinal, o que todo escritor mais deseja”, observa.

Pareceristas

As obras literárias inscritas nesta segunda edição do prêmio foram submetidas a duas comissões, a de Habilitação e a de Avaliação Técnica, esta última composta por profissionais de reconhecido mérito e competência no meio literário. Cada projeto foi avaliado por três pareceristas de notório saber.

Um deles é a Profª Draª Vera Lúcia da Rocha Maquês. Graduada em Língua Portuguesa e Inglesa e respectivas Literaturas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1992), possui especialização em Literatura Brasileira pela Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG (1996); Mestrado em Letras (Literatura Brasileira) pela Universidade Federal do Paraná (1999) e Doutorado em Letras (Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (2007).

Realizou estágio de doutorado na Universidade de Lisboa (2006), bem como estágio de Pós-doutorado na Université Sorbonne-Nouvelle – Paris 3 (2010-2011). Atualmente, é professora adjunta da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e atua principalmente nos seguintes temas: Literatura Comparada, Literaturas Africanas, Literatura, Memória e Política. Coordena o projeto de pesquisa “A condição provisória do presente: questões de literatura e política”. É integrante do Centro de Pesquisas em Literatura (Ceplit) – Unemat e do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da Unemat – PPGel (Mestrado e Doutorado).

O cacerense Agnaldo Rodrigues da Silva, que também integra o grupo de pareceristas, é mestre e doutor em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP), com Pós-doutorado em Letras, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS).

É professor da Unemat, onde foi pró-reitor de Ensino e Graduação nos anos de 2006 a 2010. Atualmente preside o Conselho Editorial da mesma instituição de ensino e é membro da Academia Mato-grossense de Letras (AML), onde ocupa a cadeira nº 10.

Tem larga experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura e Teatro e afirma-se cada vez mais como crítico literário e escritor de ficção no gênero “contos”. Além da Unemat, ele integra algumas instituições culturais e literárias como o Instituto Histórico e Geográfico de Cáceres; Academia Brasileira de Literatura (Abrali), em Curitiba (PR); Núcleo Internacional de Letras, em Curitiba (PR); Associação Brasileira da Literatura Comparada (Abralic) e Associação Brasileira dos Professores de Literaturas Africanas (Afrolic), em Porto Alegre (RS).

Sua bibliografia também é extensa e, entre as obras já publicadas, destacam-se: Projeção de mitos e construção histórica do teatro trágico (2008); O teatro mato-grossense: história, crítica e textos (2010); A penumbra (2004); Mente insana (2008); Dose de Cicuta (2011).

Juntamente com colegas da Unemat, organizou alguns livros como: Diálogos literários: literatura, comparativismo e ensino (2008); Escritos culturais: literatura, arte e movimento (2011); Poéticas, Políticas e Representações Literárias (2011); Nas Entrelinhas do Texto (2012); e Estudos Literários em Perspectivas – Literatura, Arte, Ensino (2013).

Agnaldo Rodrigues da Silva é ainda autor de vários ensaios críticos em revistas acadêmicas e antologias sobre estudos literários e dirige e organiza a conhecida Revista Ecos, publicação do Instituto de Linguagem da Unemat, desde 2003.

Terceiro integrante do grupo de pareceristas, o professor doutor Dante Gatto possui graduação em Letras pela Universidade do Oeste Paulista (Unoeste), mestrado em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Assis (1999), doutorado em Letras (2004) pela mesma Universidade e pós-doutorado pela USP (2010). Atualmente, é professor adjunto da Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Tangará da Serra.

Tem experiência na área de Letras com ênfase em Literatura Brasileira e Tragédia na Modernidade e Contemporaneidade. Atuou, até 2004, com aspectos da tragédia (Nietzsche) na ficção de Mário de Andrade, voltando-se posteriormente à literatura brasileira mato-grossense e reflexões em torno das perspectivas para o estudo da literatura na pós-modernidade e a questão do cânone literário.

Pertenceu ao grupo de pesquisa Estudos de Literatura: periferia e cânone, de 2006 até 2011, quando priorizou os estudos do trágico na modernidade e contemporaneidade e criou o grupo de pesquisa Tranco – o trágico na contemporaneidade. O grupo mantém publicação semanal no periódico de notícias Tribuna de Tangará.

Fomento

O Prêmio Mato Grosso de Literatura está entre os que oferecem os maiores valores totais em premiação, R$ 300 mil. O prêmio Oceanos, realizado em parceria com o Itaú Cultural, por exemplo, está voltado a obra de escritores lusófonos publicadas no Brasil e possui como valor total da premiação R$ 230 mil. São contemplados apenas quatro vencedores.

Já o Prêmio São Paulo de Literatura, também de grande visibilidade nacional e que já está consolidado como um dos mais importantes do País, tem valor total de R$ 400 mil e contempla apenas três vencedores.

Confira os vencedores do 2º Prêmio MT de Literatura:

CATEGORIA POESIA

Gênero, Número, Graal, de Luiz Renato Souza Pinto

Entraves, de Divanize Carbonieri

CATEGORIA PROSA

Os mesmos, de Teodorico Campos de Almeida Filho

O assassinato na Casa Barão, de Marcelo Leite Ferraz

Contos do Corte, de Afonso Henrique Rodrigues Alves

As intermitências da água, de Fernando Gil Paiva Martins

CATEGORIA INFANTOJUVENIL

Papo cabeça de criança travessa, de Maria Cristina de Aguiar Campos

Mundo dos sonhos – O ferreiro e a cartola, de Victor Hugo Machado dos Anjos

CATEGORIA REVELAÇÃO

Nu, de Helena Werneck dos Santos

Tikare: alma de gato, de Alexandre Marcos Rolim de Moraes

Fonte:

Deixe uma resposta